‘Pré-night’ arriscado – jornal O Dia

A matéria abaixo foi publicada no portal do jornal “O Dia” do Rio de Janeiro no dia 22 de setembro. Vale acrescentar que o “pré-night” do título é o mesmo que “esquenta”.

‘Pré-night’ arriscado

Adolescentes consomem bebidas alcoólicas cada vez mais precocemente, com mais frequência e no triplo da quantidade que ingeriam na década de 80. Jovens experimentam álcool aos 13 anos de idade, e não mais aos 16

POR Francisco Edson Alves

Rio – Especialistas alertam: adolescentes estão consumindo bebidas alcoólicas mais precocemente, com mais frequência e no triplo da quantidade que ingeriam nos anos 80. E com aditivos perigosos, que aceleram a dependência e muitas vezes são fatais: outros tipos de drogas e energéticos.

Os “ingredientes” mascaram o estado de embriaguez, afetam diretamente o cérebro e comprometem o ritmo cardíaco. A falta de diálogo em família e a quase inexistente fiscalização no comércio de álcool são os combustíveis desse drama. Pesquisas indicam que atualmente os adolescentes começam a experimentar álcool entre os 13 e 15 anos. “Há três décadas, o consumo se iniciava entre os 16 e 17”, compara a psiquiatra Maria Thereza Aquino.

Arte: O Dia

Segundo ela, de cada dez pacientes que atende, de todas as faixas etárias, dois são pré-adolescentes alcoolistas. “A maioria não consegue mais se satisfazer com cerveja, vodca ou vinho, por exemplo, e acaba ingerindo também energéticos, maconha, cocaína ou ecstasy”.

No Rio, a situação ainda é mais preocupante. A última Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) sobre a incidência de bebidas alcoólicas e drogas entre quase 61 mil alunos de 13 a 15 anos de escolas públicas e privadas das principais capitais — feita pelo IBGE e Ministério da Saúde — revelou que as meninas cariocas são as terceiras no perigoso ranking da experimentação de álcool entre as capitais brasileiras.

Enquanto 79,4% das entrevistadas já fizeram uso de álcool, os meninos do Rio ficam na casa dos 73,9%, em sexto lugar entre as capitais. J., aos seus 15 anos, já é uma alcoólatra em recuperação. “Estou tentando me livrar desse terrível vício no AA (Alcoólicos Anônimos).

Eu e meus amigos misturamos cerveja com energético e crack e perdemos a noção. Cansei de ser levada para casa sem roupa, sem saber onde andei e o que fiz”, diz.

Mais riscos a reboque do vício

Doutor em Saúde Mental e coordenador do premiado projeto Restaurando Esperança, do Instituto de Pesquisas Heloisa Marinho (Iphem), Jairo Werner afirma que usuários precoces de álcool vivem à margem de outros riscos, como violências física e sexual e acidentes de trânsito.

O Iphem atua na recuperação de 40 usuários de álcool e drogas, de 10 a 18 anos, com apoio da Universidade Federal Fluminense e da Fundação para a Infância e Adolescência.

Y, de 17 anos começou a beber aos 13 e se viciou em cocaína aos 14. X, da mesma idade, começou aos 12 e usou todo tipo de droga, menos o crack | Foto: Agência O Dia

“Pais devem ser exemplos, dialogar sempre e impor limites”, diz o especialista. A professora J., 52, mãe de X., 17, atesta. “Nunca desista do filho viciado. O que ele tem é um problema de saúde. Ele precisa de amor e tratamento adequado, junto com a família”.

O Artigo 243 do Estatuto da Criança e do Adolescente prevê pena de dois a quatro anos de prisão, mais multa, para quem vende bebida alcoólica a menores.

No entanto, Jairo Werner acredita que falta rigor na fiscalização. O Iphem pretende expandir o projeto com núcleos em comunidades carentes. O atendimento é gratuito.

Hábitos perigosos

– Quem começa a beber antes dos 15 anos tem quase cinco vezes mais risco de se tornar dependente

– Nove entre dez jovens temem a reação da família se chegarem bêbados em casa

– O primeiro gole é entre os 12 e 13 anos

– Outras drogas são consumidas pela primeira vez entre os 13 e 14 anos

Arte: O Dia

“Prá que álcool se tem brigadeiro???”

Intrigado com o título?

A pergunta/provocação surgiu da imaginação de nossos alunos durante o trabalho desenvolvido nas aulas de CPG.

O curso do 7.o ano, no primeiro semestre, tem como tema central a formação da personalidade.  Assim, durante as aulas, os alunos discutiram sobre os principais fatores que influenciam sua formação, entre eles, a mídia, os amigos, a família e a escola.

Como trabalho de encerramento do segundo bimestre, os alunos foram estimulados a usar a criatividade para produzir frases e cartazes visando promover uma adolescência saudável. O público alvo do trabalho são os jovens da cidade de São Paulo.

Confira abaixo alguns resultados dessas aulas.

2,6 milhões de usuários de crack e cocaína no Brasil

Ontem foram divulgados os resultados do II Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad) realizado pela Universidade Federal de São Paulo e pelo Inpad (Instituto Nacional de Ciências e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e outras Drogas).

Hoje vários jornais e portais divulgaram os resultados. Abaixo, você tem acesso aos principais.

País tem 1,4 milhão de dependentes de cocaína

Levantamento inclui pessoas que usaram o entorpecente em pó, injetado ou fumado

AFONSO BENITES
DE SÃO PAULO – Folha de São Paulo
Nos últimos 12 meses cerca de 2,8 milhões de brasileiros consumiram cocaína. Nesse universo estão os que a inalaram, os que a injetaram e os que a fumaram em suas mais diversas formas -crack, óxi e merla.

Desse total, quase a metade, 48%, tornou-se dependente.

Os dados constam do “2º Levantamento Nacional de Álcool e Drogas – o uso de cocaína e crack no Brasil”, divulgado ontem pela Universidade Federal de São Paulo e pelo Inpad (Instituto Nacional de Ciências e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e outras Drogas).

A pesquisa, feita com 4.607 entrevistados de 149 municípios de todo o país, constatou que atualmente há mais pessoas viciadas em cocaína e em crack do que em maconha: 1,4 milhão contra 1,3 milhão.

Leia mais

País tem 2,6 milhões de usuários de crack e cocaína

 

Metade deles é dependente e substância inalada é a principal forma de consumo, segundo estudo do Inpad
Fernanda Aranda

– iG São PauloUma pesquisa divulgada hoje (5) mostra que o Brasil tem 2,6 milhões de usuários de crack e cocaína, sendo metade deles dependente (1,3 milhão). Deste total, 78% cheiram a substância exclusivamente (consumida na forma de pó); 22% fumam (crack ou oxi) simultaneamente e 5% consomem apenas pelos cachimbos, que já viraram marcas registradas das áreas degradas e conhecidas como cracolândias.

O estudo Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad), unidade de pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), mostra ainda que, do total de usuários, 1,4 milhões (46%) são moradores da região Sudeste e 27% residem no Nordeste. No ranking de regiões, o Norte aparece em 3º lugar (10%) empatado com o Centro-Oeste. O sul, com 7% de concentração, está em último lugar.

“Fizemos as análises por classe econômica e, diferentemente do esperado, não houve nenhuma diferença estatística. O padrão de consumo de cocaína, seja aspirada ou fumada, é o mesmo entre os ricos ou entre os pobres”, afirma uma das autoras do estudo, a psicóloga Clarice Sândi Madruga. “Uma das hipóteses para este cenário é que o preço da cocaína está muito mais barato, o que facilita o acesso.”

Leia mais

Leia também: Cerca de 1,5 milhão de pessoas consomem maconha diariamente, aponta estudo

Veja os efeitos do crack no corpo

Brasil é o 2º consumidor mundial de cocaína e derivados, diz estudo

Mais de 6 milhões de brasileiros já usaram cocaína, crack, óxi ou merla.
Unifesp divulgou segunda parte de levantamento detalhado sobre drogas.

Luna D’AlamaDo G1, em São Paulo

O Brasil é o segundo maior consumidor de cocaína e derivados, atrás apenas dos Estados Unidos, de acordo com o segundo Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad), feito pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e divulgado nesta quarta-feira (5). O estudo mostra que o país responde hoje por 20% do mercado mundial da droga.

Ao todo, mais de 6 milhões de brasileiros já experimentaram cocaína ou derivados ao longo da vida. Entre esse grupo, 2 milhões fumaram crack, óxi ou merla alguma vez e 1 milhão foram usuários de alguma dessas três drogas no último ano.

Só nos últimos 12 meses – ou seja, de janeiro a março de 2011 até o mesmo período de 2012, quando as pessoas foram entrevistadas –, 2,6 milhões de adultos e 244 mil adolescentes brasileiros consumiram cocaína sob alguma forma.

Leia mais