As capas de Veja

A Revista Veja do final do mês passado, chegou às bancas estampando mais uma vez o tema maconha em sua capa.

Inevitáveis os debates sobre a matéria no grupo de CPG. Da discussão surgiu a ideia de analisar todas as possíveis repercussões durante a semana seguinte e só depois publicar um post sobre a revista.

A capa desse ano causou certa polêmica, mas não mais que uma edição de 2000 que afirmava: “A questão não é mais saber se um jovem vai experimentar a erva. A pergunta é quando ele fará isso”. Relendo a matéria 12 anos depois fica evidente que os autores do texto retrataram uma preocupante tendência observada na época e que parece virou “modinha”. Quem convive com adolescentes, seja pai, mãe ou educador, percebeu ao longo desses anos um discurso cada vez mais favorável ao uso, mais liberalizante. Mesmo que os argumentos sejam os do século passado.

Marcha da maconha liberada, certas informações repassadas pela mídia e um vazio maniqueísta quando o assunto é a liberação das drogas têm colaborado bastante para essa postura. Sem falar na “ajudinha” do Presidente uruguaio querendo estatizar a maconha e da recentíssima aprovação do uso recreativo em dois estados norte-americanos.

Na matéria do dia 26 de julho de 2000, a revista já trazia dados sobre os efeitos da Cannabis sativa, principalmente na capacidade de aprendizado dos jovens que iniciam precocemente seu uso. Mesmo assim, na ocasião, a reportagem assustou mais do que esclareceu.

De lá para cá, a quantidade de trabalhos científicos e de pesquisa sobre o tema aumentou e foi possível ter acesso a dados ainda mais consistentes sobre os danos da maconha. O problema que nem sempre eles são divulgados além das revistas especializadas.

E é esse justamente o mérito apontado pela equipe de CPG ao ler a matéria do dia 31 de outubro de 2012 na mesma revista semanal.

Por sua constante capacitação, os professores já tinham conhecimento de muitas das informações divulgadas pela revista. A qualidade das atividades propostas e dos debates com os alunos é diretamente proporcional ao nível de atualização da equipe. Saber que os usuários de maconha têm duas vezes mais riscos de sofrer de depressão, cinco vezes mais chances de desenvolver transtornos de ansiedade e 60% deles têm dificuldades com a memória recente fazem parte de muitas de nossas discussões durante as aulas semanais de CPG.

Não se trata de apoiar uma publicação específica, mas sim avaliar o quanto informações cientificamente coletadas podem e devem ser divulgadas de maneira responsável.

Os dados apresentados podem ser questionados, mas jamais menosprezados em comentários pretensamente politizados ou, no que seria muito pior, experiências pessoais.

Principalmente diante de adolescentes.

O atual liberalismo em torno do consumo da droga está em descompasso com as pesquisas médicas mais recentes. As sequelas cerebrais são duradouras, sobretudo quando o uso se dá na adolescência”, afirma Adriana Dias Lopes.

A afirmação da autora da matéria reflete mais que a postura dos professores de Convivência em Processo de Grupo, reflete a postura da instituição que o acolhe.

Veja alguns dos trabalhos desenvolvidos com os alunos:

“Campanhas de Prevenção às drogas 9.os anos 2011″

“Campanhas de prevenção 9.os anos 2012″

“Prá que álcool se tem brigadeiro???”

Se você ainda não leu a matéria “Maconha Faz mal, sim” clique aqui

Equipe CPG