Dicas aos pais: como prevenir problemas com álcool?

O uso nocivo de álcool é definido pela Organização Mundial da Saúde como aquele que causa algum prejuízo, social ou de saúde, para o indivíduo que bebe ou a terceiros. Assim sendo, sabe-se que qualquer uso de álcool fica contraindicado para crianças e adolescentes, uma vez que seu sistema nervoso central ainda está em desenvolvimento e, portanto, mais suscetível ao comprometimento de importantes funções cerebrais.

No Brasil, a lei proíbe a oferta de bebidas alcoólicas antes dos 18 anos, e surge a preocupação de como os jovens acima dessa idade irão usufruir deste direito sem trazer malefícios para sua saúde, nem para a sociedade. Na realidade, desde o período final da adolescência, entre 15 e 19 anos, os jovens experimentam desejos de autonomia e mensagens sociais e de seus pares que são permissivos ou até mesmo promovem o uso de álcool, e muitas vezes o uso pesado, associado a maior risco de consequências negativas. Relatório recente da Organização Pan-Americana de Saúde revelou que o Brasil, dentre os países da região das Américas, apresenta o maior índice de mortes atribuíveis ao álcool nesta faixa etária (como por agressões e acidentes de trânsito).

Pesquisas científicas mostram que determinadas atitudes dos pais são capazes de proteger os filhos do uso nocivo e pesado de álcool na idade adulta, e de seu uso precoce, ou seja, antes da idade permitida, ou antes que seu sistema nervoso esteja mais preparado. São chamados de “fatores proteção” aqueles que, quando presentes, associam-se a menos risco em relação ao beber. Em paralelo, atitudes que influenciem negativamente este comportamento são chamadas “fatores de risco”.

O suporte em questões gerais, monitoramento e boa comunicação entre pais e filhos são fatores de proteção bem conhecidos, e o apoio é caracterizado quando os pais demonstram cuidado, atenção e aceitação para com seus filhos. Além disso, é necessário que exista consistência: a simples desaprovação do beber direcionada apenas aos filhos, mas com o ambiente de casa permissivo ao uso frequente e intenso de bebidas pelos adultos não tem efeitos positivos; logo, é preciso agir de acordo com o que é passado aos adolescentes. A desaprovação do uso nocivo de álcool, como o controle do uso por todos dentro de casa, e a evitação de exemplos errados, como beber e dirigir, ou beber sem se alimentar, associa-se a efeitos protetores.

São orientações aos pais ou responsáveis por crianças e adolescentes:

  • Evitar o consumo de álcool pesado (para tirar dúvidas sobre padrões de consumo, acesse: http://cisa.org.br/artigo/4405/padroes-consumo-alcool.php);
  • Não permitir que seus filhos criem o hábito de beber em casa;
  • Conhecer as atividades e o ciclo de amizades dos filhos;
  • Estabelecer relação afetuosa e de confiança com os filhos;
  • Ter cuidado para que os filhos se sintam confortáveis em conversar sobre qualquer assunto, e dessa forma se sintam aceitos e amparados;
  • Imposição de disciplina, com estabelecimento de regras claras e consequências para quando são quebradas; com cumprimento do que for estabelecido (muito relevante para a proibição do beber antes dos 18 anos);
  • Procurar realizar atividades juntos, em lazer ou no cotidiano (refeições).
Foto: CISA

Foto: CISA

A comunicação entre pais e filhos específica sobre o álcool, ou a proibição explícita e coercitiva ao uso de álcool, quando não acompanhadas desses comportamentos protetores, não demonstram ser estratégias efetivas.

Sendo assim, o CISA incentiva fortemente a construção de vínculos familiares saudáveis, com o objetivo de proteger crianças e adolescentes do uso de álcool precoce, assim como do beber intenso, frequente e problemático quando adultos ou em situações mais vulneráveis. Nem sempre esta é uma tarefa simples, e pode ser necessário procurar ajuda de profissionais da área de saúde mental para auxiliar na comunicação. Da mesma forma, os pais podem procurar profissionais da área para o trabalho individual com os adolescentes, com técnicas em habilidades sociais e de recusa ao beber, desenvolvimento de limites, resolução de problemas e resiliência.

Texto retirado da matéria “Dicas aos pais: como prevenir problemas com álcool?” da página do Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (CISA)

Equipes de ajuda: prontos para enfrentar o bullying

A fim de propiciar uma convivência mais saudável entre os alunos, foram formadas as equipes de ajuda do 6.o ano e da turma de alunos novos do 7.o ano do Ensino Fundamental. A formação aconteceu num sábado quando, a partir de dinâmicas e diálogos, sobre convivência, empatia e valores morais como solidariedade, justiça e respeito, os alunos foram capacitados para atuar em situações nas quais percebam a ocorrência de bullying, exclusão ou isolamento na escola.

ajuda1

Durante o 2.o bimestre, os temas das aulas de CPG para 6.os anos e para a turma do 7.o ano novo, foram o bullying e cyberbullying e, consequentemente, foi realizada a votação dos alunos para as equipes de ajuda. Para isso, os professores fizeram perguntas como “em quem você confiaria um segredo?” ou “quais são as características de uma pessoa confiável?”. Todos indicaram nomes de colegas da turma e, aqueles que aceitaram, foram selecionados para compor as equipes de ajuda. Cada sala conta com uma equipe composta por três alunos. O colégio já tem equipes de ajuda nos 7.os e 9.os anos que, agora, podem contar também com a parceria dos colegas do 6.os anos.

ajuda2

A equipe de ajuda tem a função de identificar entre os alunos aqueles que possam estar envolvidos em problemas ou situações de conflitos, além de situações que causem algum problema para o ambiente escolar. Os alunos membros podem intervir diretamente em alguns casos ou leva-los para a orientação já que há reuniões a cada quinze dias com as Orientadoras Lúcia Maiochi e Soraia Silva.

ajuda3

Na formação foram aprendidas técnicas como a da aproximação, escuta ativa e enfrentamento de conflito. “Aprendi que é preciso nunca se achar superior ao outro e, sim, se colocar no lugar dele para poder ajuda-lo”, disse Rafael Serson, aluno do 6.o ano do Ensino Fundamental. “É importante ajudar a pessoa a saber como lidar com problemas porque não estaremos sempre lá para ajuda-los”, acrescentou Esther Linero, também aluna do 6.o ano.

ajuda4

No sábado de formação estiveram presentes Lúcia Maiochi, Orientadora Educacional e professora de CPG; Estela Zanini, Coordenadora de CPG; as professoras Daiana Silva, Melissa Norcia e Ana Paula Zanini; Cristina Rebelo, assistente de CPG;  e Raul Alves e Luciana Zobel, representantes do GEPEM – Grupo de estudos e pesquisas em Educação Moral – da Unesp e Unicamp.

ajuda5

O colégio já tem equipes de ajuda nos 7.os e 9.os anos do Ensino Fundamental. Agora, os alunos podem contar também com a parceria dos colegas de 6.os anos. Os membros de todas as equipes identificam-se pelo uso de uma pulseira azul.

ajuda6_destaque

“Ter o olhar dos alunos nesse assunto é fundamental, eles são os protagonistas. Para os membros da equipe de ajuda é um ganho muito importante no desenvolvimento de habilidades socioemocionais”, comentou a Orientadora Educacional, Lúcia Maiochi. “Todos os alunos se mostraram altamente preocupados em exercer as funções de um aluno ajudante, se preocupando com os colegas, desenvolvendo a assertividade na linguagem, uma escuta ativa e empática, bem como valores de generosidade e respeito ao próximo”, concluiu Raul Alves.